Concebível realidade


Sei que os sonhos detêm o que a realidade desconhece.
Por mais que na tormenta rota tomada
As interceptem figuras demoníacas oriundas do mito
Quem sonha sempre alcança.

O meu estado leva-me a descortinar talvez o impossível à percepção da realidade.
Porquê? Porquê o circundar ébrio dos planetas em minha consciência?
Porquê a irrealidade imposta e concebida como a nossa vida?
Não sei nada...

Não sei como se ama, não sei porque se ama...
Se amar nos concebe um amor eterno,
E se realmente o carente sente saudade,
Porque não nos amamos em conjunto?

A minha realidade é sonho. Sempre foi.
Tenho pouco por que me agarrar à realidade, esta de momento.
Prefiro ser sempre o deambulante poeta que viveu na cave do pensamento
E que descortinou sempre outro mundo.

Álvaro Machado - 13:56 - 10-10-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil