Aclamação


Vida, esta vida que um homem tem como um vagabundo,
Que na fúnebre praia de onde o mar se ausenta o coração vai soluçando
Por uma brisa que acalente o gélido sentimento que por aqui anda
Sem andar e sem sentir, e nem sabe quem o manda...

Indefinido sentido quando olho para o sentido que te quero dar,
Ó vida, que sentido, que rosto, que tens em tua direcção?
Porquê todo o ser humano e todo o sentimento vão
Quando falamos em amar?

Mas o que podemos nós amar em ti, vida?
Corrompidos estão todos os transeuntes...
Desajeitados estão, todos como dantes,
Na anterior vida ditada de esquecida...

Álvaro Machado - 16:22 - 20-10-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante