Estados d'alma


Tenho um estado de alma diferente.
Nunca sabe o que quer, nem quando quer.
São muitas almas na mesma corrente
E o horizonte é uma névoa que me faz desaparecer.

O meu constante estado quer procurar
Um sentido que lhe diga o que, afinal, está aqui a fazer.
Continuamente, cada vez mais ébrio, para querer viver
Num lugar longínquo que esteja a brilhar.

Que tenha esse mesmo lugar
Toda a incongruência e disformidade
Que em mim mesmo inerentemente há-de estar
Se continuar a inexistir a felicidade.

Quero uma praia que um dia nasça
E outro dia se desfaça
Com a mesma verdade com que foi criada.

Quero que um dia a vida me faça
Saber me desviar da desgraça
Com a mesma plenitude da terra sonhada.


Álvaro Machado - 22:03 - 02-11-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil