Pelo comboio.


Se realmente existisse esta viagem,
Poder-se-ia declinar a rota, poderíamos ir na dianteira,
Esquecer-se que para além à margem
E viajar com a paz na alma p’ra vida inteira.

Meio sonâmbulo, meio morto,
Mas com a tranquilidade certa
Para esperar uma nova descoberta
E fugir deste mundo absorto.

Encostados ao mar,
Pertos de amar,
Feitos p’ra viver!

Com o destino a nos cruzar,
Criamos laços para depois tudo acabar.
Somos feitos de anoitecer!

Entretanto, quem vai ao meu lado
Vai estando a ler
Um livro qualquer
De um escritor consagrado.

Consagrados, porventura,
Deveríamos ser todos!
Todos poetas de uma vida dura
E todos encantados!

A meio caminho estamos indo,
Passando pela cidade nunca vencida,
Um rio inteiro correndo, o olhar caindo,
E a vida acabada de ser perdida…

Mondego que nunca te irei esquecer,
Tenho que me encontrar noutro caminho
- Muito, pouco, perto ou longe, o que houver
Será o rasto do meu pergaminho.

Hei-de ficar caído.
Com o coração partido.
E nunca à margem hei-de estar
Porque do sonho acabei de me aprisionar!


Álvaro Machado – 17h50 – 01-11-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil