Pequena confissão


Sinto-me tão sozinho
Como um pôr-do-sol
Quando ninguém o está a olhar...

E dói-me tanto ser e estar assim
Que começa a anoitecer
Para lá dos navios invisíveis...

Tão triste da vida, vadio do universo!...
Não tenho ninguém para poder estar...
Poeira levantada que desvanece num instante...

E de uns tantos lugares sombrios onde o meu coração se esconde,
Aqui continuo, numa recôndita sensação esfria
Concebida p'ra minha solidão!...

Álvaro Machado - 19:12 - 14-10-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão