Pranto


Tenho calma e vontade,
Calor, frio e saudade.
Quero vir a relembrar
Aquele momento,
Que passou, já se vai,
Perdeu-se na noite de luar
Encostados ao jumento
Parecíamos estar...

Porque, sabendo bem,
A verdadeira vitória enquanto vivermos
É o talento que tem como nascente
Um rio de pureza, de magia crescente,
E sermos nós aquilo tudo, nós sermos!
Mais ninguém!
Para ser única basta fazer algo único,
Nada igual, companheiros!
Esqueçamos o pranto, os desordeiros,
O nosso hino é viver para lá disso!


Álvaro Machado - 18:03 - 21-10-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil