Nova personagem.


Calmo, frio e racional.
Assim sei dar pelo meu fim.
E não lamento que tenha vindo,
Que esta seja a minha partida.

Estou calmo para qualquer desfecho.
De tantos pedidos de perdão que fizera,
Agora aceito qualquer sentença.
Será que vou sofrer?

O tempo e as questões sobre quem sou
Levaram-me sempre à loucura.
Sempre me desviei do que eu poderia ter sido:
Havia sempre mais dúvidas, mais dor, mais multidões
Percorrendo a minha cabeça...

Os originais? Não sei.
Acho que os queimei.
A fogueira ardia imenso quando deixei a casa e a minha vida...
Mas para mim viver nunca foi senão ser queimado
E esperar que alguém viesse socorrer.

Álvaro Machado - 19:27 - 28-12-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil