Cântico Negro


Desta vez não vos trago um poema, antes uma pequena actuação minha numa intervenção cultural em Marco de Canaveses, o "FAZ". Desta experiência absorvi duas convicções: a primeira é que temos pessoas, em Portugal, capazes de impulsionar a arte e divulgar os artistas; a segunda, não tão boa, é que as pessoas não se deslocam a eventos, diria, apelativos, talvez pela sua inércia.

Acredito que isto vai mudar. Deixo-vos aqui, então, o poema Cântico Negro de José Régio recitado por mim.

Com os melhores cumprimentos,

Álvaro Machado

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante