Isolado.


Muito tempo; e eu não sei o que é lá fora…
Não sei se os dias são dias
Nem se as noites são noites;
Não sei se barulho ensurdecedor
E pessoas entre ele existem…

Haverá luz? Haverá sombra?
Como outrora?
Haverá humanidade para lá disto,
Atónita sinfonia do desalento?

Aqui é tudo calmo.
Os homens que me vêm ver são acolhedores, simpáticos,
Mas longínquos quanto às sensações e aos sentidos…

Tenho um vasto oceano e uma tenebrosa corrente
Para a minha pequena nau enfrentar:
Indefinição, vácuo, confusão de sentidos!...

Álvaro Machado – Sem hora - 29-01-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil