Rompante


Quis o não no meu sim,
Encobri que a raiz é um facho obscuro
Parece luz sem ser luz.

Quis ter-me por vil
E achei que por único assim
Pertencia à noite de não pertencer.

Na fogueira vã da tristeza
Como se a força divina me chama-se
Eu aqueci as mãos por egoísmo

E deitei-me ao comprido dos versos
Numa intemporal passagem de sentimentos
Se eles existem, no entanto.

Nada, de ninguém, disse eu
Numa ténue conquista tida
Achava eu, nunca tendo conquistado.

Na sociedade tudo é distorcido,
Ruas, caminhos, sensações...

Porquê o ter tanto sentido
Em cada passo, em todas as acções?

Prefiro morrer distante e saber bem
O que fiz e o que sou, saber de pronto
Que a morte vem.

Prefiro ter a verdade e escrevê-la
Nunca esquecer tudo aquilo que eu sou
Sem saber perfeitamente nada.

Álvaro Machado – 00:15 – 27-02-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil