Consciência ampla


Vou estar aqui sentado
Até que tudo seja vão e inútil.
Não me interessa.
Não tenho medo nenhum de nada.
Nem mesmo do fim.
Ai, sei lá, que de tanta dor que eu trago
Acho que já não não vale a pena...
Estarei, então, aqui
- No meio das coisas, mas longe do meio;
Só sentado, no relento da saudade,
Para lá do mundo, para lá de tudo,
Entre a calma e a plenitude
Acima de nós.
E sentado, do fundo amargo e doloroso da vida,
Paro: afinal não existo...

Álvaro Machado - 22:30 - 15-04-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil