Desconexão



Desta complexa e entontecida noite,
Sobra a mão morta
Que transparece o estado atónito
Do que ecoa baço...

E, em redor, um impulso
Agiganta o desejo absurdo
Para que a razão entre e responda
Quem sou eu.

(Um doido. Um doido sem nome próprio e sem ninguém para o compreender)
Talvez seja isso, talvez.
Afinal, qual é o desfecho depois de sofrer numa noite assim?

Álvaro Machado - 01:28 - 18-05-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão