último dia


abro os portões largos
do meu coração.
os sentimentos destroçados
apontam a direcção
do amor vão...
entro, subo neste atónito ritmo os ritmos da vida.
ando às voltas, p'ra onde ir?
quando mais penso que o meu sentir
se encaixa nesta pessoa, mais perdida
se torna o sentido da cantiga.
o tempo e o espaço
na intensidade juntou.
o tempo e o espaço
com frieza separou.
era o mesmo instante,
o mesmo semblante,
a mesma voz,
o mesmo toque...
que o destino quebrou.
cessados os portões
chave do sentido atirada em alto mar
os versos são as minhas confissões
por sempre aquilo que estou a passar...

Álvaro Machado - 12:52 - 07-09-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil