Testamento sanguíneo



No fundo de um corredor,
Pelo meio de uma vitrina fusca,
Um só coração sente a dor
A entrar impiedosa e brusca.

Um vidro ténue, partido e disperso pelo chão,
Soa-me com um desaconchego
- Quão inevitável me é a solidão
Diante deste obscuro desassossego?

Que o frio e o luar se sintam
Com toda a intensidade ardente!...
E onde a alegria e a fronte se distanciam,
Estática e perplexa 'sta minha alma comovente.

Álvaro Machado - 23:05 - 06 - 12 - 2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil