Inexistência de partícula


Perdeu-se o sol universo fora
e com ele foi também a luz intensa, fulgente
que servia para o nosso dia doer menos;
e se a água reluzia e o fado ardia
em nós para toda a eternidade
sucumbiu-se então...

Fomos não o mar, mas as rochas
onde o mar violentamente esbate;
Fomos menos que canção, fomos parte dela
esquecida num palco em escombros;
Fomos não a voz gloriosa da humanidade,
senão toda a mágoa, ódio e destruição...

Quando deitámos para trás
os egoísmos instaurados por patriotas de merda
ou os filhos da puta vindos debaixo da terra, sórdidos,
escasso se tornou o sentido e a permanência em terra
e o tempo esvoaçara pelas nossa mãos
como se nada merecesse o homem...

Álvaro Machado - 04:29 - 26-05-2015

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante