Perda de tom


Lenta e drástica vem
Num soar disperso
E se me pesa, pesa-me tão bem
Como que a todo o universo

E a curva da esquina será indefinição
Em esse sempre eterno e fiel;
Servos leais que nunca vêem no não
O rodar livre de um carrossel.

Assim são os que nas montanhas se refugiam,
Leis esquecidas, vácuos desertores,
Os poetas que nesse virar de esquina escreviam
Insubmissos e inatos sonhadores!...

Álvaro Machado - 14h58 - 10.08.2015

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil