Decapitação solene


Do cimo,
não sei,
perto do cimo,
não,
nada disso!

Qualquer cousa,
ali,
acolá,
mas no cimo
não quero!

Oiçam,
calem-se,
mexam-se;
a cidade saí p'ra rua
não saindo!

Entontecido,
enternecido,
quieto, fiel à morte,
mas nunca vivo!

Se me revolto,
já não me revolto,
tudo quis e agora
nada mais...

Parem!
Dai-me a decapitação, senhores!
Só eu é que vejo,
não, não acredito!

 Álvaro Machado - 03h06 - 17-11-2015

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil