Deserto do eu


De um deserto imenso
onde o que nos vem de frente é nulo
e a esperança se perde no passar
uma pequena poeira levanta.

Contemplo cheio de fervor
o trajecto que ela leva,
incoerente no arado onde vai,
p'ra o indefinido da alma...

E achei que fosse tão fácil
quanto esta poeira no levantar
o encontrar-me, o conhecer-me,
o saber-me quem sou...

Álvaro Machado - 22:04 - 14-11-2015

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante