Aurora do trovador


Barco que fora
o barco do sentir deveras
do trovador que cantara
cousas que inda não eras

Barco que fora
o barco do disperso, do vão
aonde trovar sobre a aurora
resplandecia na canção

Quantos mares fomos,
quantos homens naufragámos?
Se eles soubessem quem somos,
o que só nós sonhámos

Que seria hoje do barco, da canção?
Dormiria onde o trovador?
Ah,tanto pesar num coração,
tanto p'ra sentir um pensador!...

Álvaro Machado - 16h12 - 20-03-2016

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante