de folha em folha, tudo cai vão


cai folha, cai em vão
cai sempre a cair
vai, não escutes o coração
que de ti não sabe sair

vai pelo chão
mergulha nos ermos semblantes
que onde estou só fito escuridão
vai pela margem dos transeuntes

cai folha paradoxal e quase atómica
nem de mim sei, por que haveria de ti saber?
perplexa e errática e mística
por minha vida desconhecer!...

Álvaro Machado - 18h50 - 31-10-2017

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!