à saudade


estou só para o mundo,
para o meu mundo...
o senhor whitman e o senhor pessoa
partiram há tempo de mais...
agora o mundo só me soa
a pessoas iguais...

todos os génios abandonaram
o navio e a viagem da dor...
só as minhas saudades ficaram
em tudo que está a meu redor...

só. e as estrelas de todo universo
soam em uma frieza distante...
mas aquela luz é tão intensa e brilhante
que eu faço de mim um pequeno verso,
uma pequena voz que surge em mim
num momento bem disperso...

por que todos eles me deixaram?
inda há pouco tempo éramos um só...
conversávamos para além do infinito
e riamos do que cada um havia escrito...
por que as ondas nos separaram
e eu me sinto só?...

só de mim e só do mundo.
só. dói escrever estando assim.
até um dia, amigos, até um dia.
escrevam de volta, lembrem-se de mim,
e talvez a vida me sorria
de novo.

Álvaro Machado - 02:24 - 29-06-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil