Assim.


esta dor vem
sombria, dolorosa
pela amargura das horas

entra-me nas veias
calca-me o coração
dói-me à exaustão

ai que dor sem verso
sem forma
sem nada que a objective

que a torne menos baça
e estonteante e dolorosa
como a que entra esta noite

(quem dera. um dia ser mais assim.
não me doer a cabeça. não me fingir outro.
não me esconder pela porta das traseiras
da chuva à espera como em criança...)

Álvaro Machado - 02h20 - 14-11-2018

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Nostálgico.

Nota final