simbólico céu


ouvi a voz no céu altivo e distante.
suspendido no ar, parei...
o então porvir soou errante
e eu suspirei...

de ilusão imbuído, cada um há-de depositar
crenças, suspiros e a leve dor...
há-de, nesse céu, sem saber, acreditar
naquilo que não acreditou no amor...

mas eu ouvi a voz sentado
e a mármore esfriou-me o coração...
quando me vi, havia-me embriagado,
perplexo e absorto na solidão...

Álvaro Machado - 01:53 - 29-11-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão