Lugar não recordado


Num momento cujo lugar já não me recordo,
Vi a luz desvanecer, o coração se despedaçar
Ambiente que quase me fez admirar
Viajar e estar abordo.

Com esta faèton desloquei-me ao café,
E quando cheguei, fitei que ali defronte,
Estava - novamente - o homem em pé
No calor do horizonte

Dias com pouca sonoridade e bruscos movimentos,
Causam-me náuseas repentinas e duradouras
O céu está farto de adiamentos
De vez lá vão as louras!

Caminho sem me conhecer,
Falo sem pronunciar,
Olho sem fitar,
Este meu ser!


Álvaro Machado - 14:03 - 28-03-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Assim.

Desventura insensata

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante