Mas que mundo me fala


Mundo.. Mas que mundo me fala?
Este de grande ostentação,
E de pouco coração!
Que quase me entala.

Vagueio pelos ruas pintadas de Cesário,
Acumulo toda a roupa num armário
Diferentes fogos, chuvas iguais,
Nestes passeios superficiais

Duvido da vossa ingenuidade!
Lá no fundo vivem pelo dinheiro,
Na gruta lá vai o mineiro:
A morrer sem popularidade.

De mim não esperem nada
Sol longe, terra ainda mais,
Fugir no meio dos olivais
Sim! Que era bela jornada!

Aldeia deserta pela frente oceânica
Árvore de matéria orgânica
Agita a alegoria da juventude,
Na sua fabulosa virtude.

Álvaro Machado - 11-03-2012 / 14:24

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Desventura insensata

Assim.