Viver a vida à escritor


Hoje decidi viver a vida à escritor
Consagrar esta vida de léria
Aperceber-me de todo este calor,
Sem pensar na féria!

Percorrer as pegadas éticas d'uma vida moral
Longevidade consagrada pela queda firme
Num só olhar, num só gesto,
Quase que manifesto:
Consciência sublmile;

À conversa com o empregado,
Apercebo-me que está desesperado
Tristezas sem fim, amores dispersos,
Transeuntes entre versos.

Álvaro Machado - 13:18 - 21-03-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Desventura insensata

Assim.