Absinto.


Não conheço o meu absinto
Senão quando estás presente.
Aí, como quero, sinto
Como ninguém sente.

Fico cambaleante para o sentir.
Fora do círculo admissível na corte.
É o que dá quando se supera e se sente emergir
Transcendente e forte.

Não tem premonições.
Atinge-nos como um relâmpago.
E o ser comum vive de ocasiões.
Eu vivo do que divago.

(Disse um barqueiro qualquer.)


Álvaro Machado - 19:50 - 11-09-2013
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil