Incompreensão racional


Em um sonho de me não compreender
Dou voltas sem as dar
À volta de um novo ser
Acabado de encontrar.

De nome e tempo dispersos
Soa-me como que conhecido
Vem de longe, de longínquos versos
- Foi assim que senti ter aparecido.

No ser e não-ser da minha alma doente
Em rodopios lancinantes
Tudo o que me é alheio, tão como comovente,
É-me mais do que dantes...

Não sei se é o Mondego distante
Ou a proximidade com o Tejo
Em que aos poucos um volante
Se me ergue um bravo ansejo!...

Álvaro Machado - 11.50 - 09-05-2015

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil