Incurável doença


O amor acabou
- próprio e de outrem.
P'ra onde eu vou
Mais ninguém vem.

As feridas nunca pararam
E o vazio em mim alastrou
Todos os barcos e naus naufragaram
E o mar nunca os avisou...

Assim, na sombra precipitado,
Fujo como quem ama a vida
E apesar de nunca ter sido amado
Aviso-vos antecipadamente da minha partida.

Até ao outro lado, irmãos.
(Todos os poetas são vãos...)

Álvaro Machado - 11:05 - 08-04-2015

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante