memória e raiz


banalmente, no acaso do sistema solar,
sei de mim e sei o que sou...
sou um triste que pela noite de luar
dos universos dispersou...

sou uma dor sem cura que na sombra se inquietou
à espera de uma brisa que na alma soasse
a paz, a plenitude..., mas deus sempre negou
que minha alma assim sonhasse…

e assim me vou - ouvindo esta ópera distante,
vivenciando estes leves passos pessoanos
até ao esquecimento arrepiante
que nos vem com o passar dos anos…

adeus: mas leve e seguro.
é assim que me vou.

Álvaro Machado - 00:23 - 25-05-2015

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante