templários do tempo


olhando, e fora da rota do sonho,
esperar uma brisa ténue dos lados
é um cinismo do deus enfadonho
para os não amados...

e uma gota caiu.
o decurso do tempo desvaneceu.
lá fora o homem sumiu
do próprio sonho que ergueu...

para assim, templários do pesar,
porem à chuva o seu coração;
de que vale o convicto acreditar
se tudo move em volta de maldição?

Álvaro Machado - 01:43 - 27-03-2015

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil