Mensagens

A mostrar mensagens de Junho, 2014

Palavras.

Imagem
Sim. Podia ser melhor.
Podia ser aquilo que todos são.
Sim, vamos ser isso, vamos ser muito mais,
Vamos ser tudo menos nós.

Vamos falar e esquecer que falámos,
Sentir para dizer que nos magoámos,
Ver para acharem que nos preocupámos,
Ficar para saberem que não nos distanciámos.

É imenso o sol ao fim de tarde.
As ruas confundem-se, à distância não existo,
e ao calor não me sinto existir...

Mas para mim tanto me faz, viver, morrer...
Apraz a intensidade que me dás, isso basta...
Basta-me entrar na rota do desajustado, do entontecido...

E tudo isto para te dizer que não sou melhor.
Sou o que sou, sou a liberdade que deixo criar,
o sentimento que faço por adivinhar
- ruas paralelas à cavidade do meu coração,
pontes onde o declive torna ébrio o fitar,
e a passagem somos nós em volta...

isto sou eu.
resto disso é distância
e mar dessa distância.

Álvaro Machado - 14:36 - 22-06-2014

À memória!

Imagem
em memória a ti, companheiro.
muito mais importante que as palavras
são os pequenos gestos.
gestos que nos enchem o coração
da saudade de um que estará para sempre connosco.
então não são pequenos...
são gestos largos, nobres, que significam tudo.

as vozes entoaram e prosseguiram a sua rota natural
acompanhadas pelas guitarras que soaram tristeza nas notas...
capa negra, assim, como sabemos, homenageamos.
e é com a capa negra que sempre diremos:
nós, contigo, sempre estamos.

Álvaro Machado - 20-06-2014

sem desfecho

Imagem
para mim estar nessa multidão
é como se não existisse.
cada passo e cada suspiro meu
é uma tremenda ilusão.
é cair de rastos no chão
sem me conseguir levantar mais.

são as iluminações e os barulhos,
eles confundem-me;
e o corpo e a mente perdem-se
horas a fio, sem nunca mais se encontrarem...

caminho, porém. lado a lado com a lua,
eu caminho sozinho...
p'ra onde? p'ra lado nenhum...
lado nenhum, pois; então é tudo um vácuo
e eu sentir não vos importa
coisa alguma...

é mais um que na sombra se mexe
e na sombra se perde
até à eternidade do ser.

é só mais um com fantasmas e receios,
com cadafalsos e mentiras entre eles...

que me importa viver?
viver assim é não viver assim.

pouca coisa resta, porque eu por dentro morro
em um requiem de obscuridade ébria...

estarmos juntos no amanhecer?
mas que amanhecer nos há-de juntar
se nós fomos feitos para estar sós,
longínquos, sem sabermos da existência um do outro,
ainda que saibamos perfeitamente que existimos?

juntos é uma história que…

O eco que vai por Coimbra

Imagem
Ecoa no Mondego desta cidade
o som de outros tempos.
Oiçam, bem de perto, a intemporalidade
que vai na corrente
e que são versos.

(Ecoa neste rio o meu coração...)
Eu que, isolado, sem saber tomar
uma direcção,
pergunto aos deuses do universo
se algum dia me hão-de recordar
como eu os recordo...

Não sei, porque me dói muito querer saber.
Dou um breve suspiro, fito as indefinições do ar,
e penso para mim: quero é morrer.
Por que hei-de outro caminho querer,
se por mim ninguém vai suspirar?

Mas é deste rio que me vem a veia de artista
- incerto, desconhecido, embriagado pela sublime paisagem.
E continuei pensando: nem que isto me leve ao suicídio, nem que da minha vida desista,
o que eu quero é saborear esta viagem
aos tempos passados.

Álvaro Machado - 20:12 - 10-06-2014

Total perda

Imagem
Perdi tudo...
Mesmo esse nada se esvaiu de mim...
Tornado escombros, vagabundo...
Aqui gelo; e que sou?

Em multidões escondo-me,
mas por dentro morro.
Toda a crença é cavar mais fundo
na minha cave de inércia...

Perdi o controlo...
Tornei-me num deus frio, não sabia...
E quando cumprimentei o barbeiro
ao pensar nisto, ele sorria...

Pois agora solto um breve suspiro
ainda antes de partir...
Se soubessem o fardo que carrego e, inda assim, nunca o tiro...
Só quero apagar o cigarro e sorrir...

Mas agora é tempo perdido
- o que perdi, é fugido,
e o que tenho é efémero
para voltar a viver.

Álvaro Machado - 20:38 - 30-05-2014

pranto recalcado

Imagem
silêncio: é noite, chove e eu não existo.
na fé oiço, calo e desisto.
estou só, sofro, e é assim que eu quero estar.
cubro-me com o vácuo, fito o mar
e penso: quero-me ir, quero findar.

Orionte - 00:10 - 28-05-2014

questionar o inquestionável.

Imagem
deus?
sou ateu.
só creio em deus
quando me sinto a morrer.
e só, também.

sou mau por isso?
não creio nele.
o olhar de soslaio é quanto baste
- as estrelas vigiam-nos
enquanto dormimos...

sei bem quem sou.
não façam barulho...
já vos disse: sei quem sou. e calem-se, calem-se já.
que agora volto-me para o céu
e fico destroçado...

venha a morte.
aí, e só aí, creio em deus.
porém, antes disso,
nunca me acerquei de velas
e preces destoadas do real.

e morto, morto agora mesmo,
vos digo... digo...
esperem... não digo nada...
o maior segredo do mundo
é mesmo esse: a indefinição.

fim, começo?
deus sabe.

Álvaro Machado - 22:29 - 19-05-2014

nau inocente

Imagem
ontem fui.
hoje é que não sou.
ontem balbuciei o que restava de mim.
hoje sou mudo.

aquele barqueiro em uma nau,
indo inocente, diz que procura a índia.
não... ele continua em busca desse mar paradisíaco
onde não precisa de pensar.

hoje é ele.
ontem fui eu. fui eu quem passou
e por esse mar naufragou...

vai-te. foge desta onda.
que ela há-de levar-te
e nunca mais entregar-te.

Álvaro Machado - 21:47 - 18-05-2014

Desconexão

Imagem
Desta complexa e entontecida noite,
Sobra a mão morta
Que transparece o estado atónito
Do que ecoa baço...

E, em redor, um impulso
Agiganta o desejo absurdo
Para que a razão entre e responda
Quem sou eu.

(Um doido. Um doido sem nome próprio e sem ninguém para o compreender)
Talvez seja isso, talvez.
Afinal, qual é o desfecho depois de sofrer numa noite assim?

Álvaro Machado - 01:28 - 18-05-2014

noite.

Imagem
a minha vida é breve
como o vento e vazia como o silêncio do vento.
eu disse-te isso. e tudo passou...
mas a noite passada
trouxe-me o teu flamejante olhar, a doce e inocente voz,
e por um breve instante pude ter-te
como deus tem o universo.

eu devia ficar calado. eu sei.
mas eu nasci para dizer tudo o que embarca o coração,
todas essas sensações que ninguém entende...
é o estar sentado sobre o enternecido luar
e suspirar afincadamente...
sabes, o normal. o normal ciclo de alma errante
- o não ter nada nem ninguém, as raízes espalhadas por aí fora
a sofrer intoleravelmente.

breve é tudo: eu, tu, todos...
mas permite-me dizer que nesse breve instante
tenho a sensação de te ver p'ra sempre.

Álvaro Machado - 18:13 - 16-05-2014

desfragmento

Imagem
se me dizem para te amar
eu não amo.
se me dizem para te esquecer
eu não esqueço.
se me dizem, se me não dizem,
eu não quero saber.

este sou eu. uma náusea de consciência.
uma mágoa vendida à sorte.
o desfragmento, o estúpido, o artista de nada...
o não ter sentido, tendo-o.
o vácuo de todo mundo num rasgo de génio,
o cadafalso permanente e a morte à vista...

o verso disforme.
nenhum ser merece escrevê-lo.
tanto tormento. tanto, tanto...
disseram-me para te amar e eu amei,
disseram-me para te esquecer e eu esqueci...
morri. morri porque nunca vivi.
ébrio suspiro da corrente...
meu amor.

Álvaro Machado - 17h47 - 14-05-2014

Teoria

Imagem
O que é morrer?
É o que eu sinto.
Lentamente, sinto-me desvanecer
Com a embriaguez do absinto.

O que é morrer, senão morrer?
Nada. É alguém que já existiu.
Que não existe e se esqueceu que se viu.
É tudo de mim a desaparecer...

É quando está muito frio, é quando nós desaparecemos
E arde no fundo do mar a nossa imagem...
É quando é calma e silenciosa a viagem
Onde nós já morremos.

A vida é assim: sinistra, complexa.
Num momento tudo se move
E, de um momento para o outro, extingue-se
Como se nada fosse...

Álvaro Machado - 22:24 - 02-05-2014

Paragem.

Imagem
I.

É só uma sensação.
Um pequeno desconforto, disse eu,
Olhando em volta
Para o sentido que me move
Inerte, frágil, ridículo…

E paro. Não quero continuar.
Deixo que tudo desmorone!
Não tenho mesmo vontade nenhuma
De me erguer p’ra poder viver.
Da vida o que posso esperar?

Ilusão errática,
Agonizante, cismática…
E não mais que isso.
Um eco profundo que eu invoco
Só porque não valho nada…

II.

Para além da vida,
Este meu eu que me corroí por dentro
Leva-me ao suicídio da alma
Pela súbita inveja
De uma pomba voar…

Quão frio me sou quando rodo numa náusea de suposições
O que esta pomba faz sem sentir, e muito menos sem pensar.
Feliz porque Deus é egoísta e a deixa ser feliz
Para nos escarnir.

Olhámo-la com uma inquieta e estranha curiosidade.
Olhámo-la porque vemos nela o que não vemos em nós:
Vemos-lhe liberdade, meus caros. Liberdade!
Liberdade e inocência, pura inocência
Que a faz voar muito mais além…

Álvaro Machado - 23:26 - 01-05-2014