Eternamente esquecido



A um dos frios recantos da cave,
Num cessar de luz cerrado,
Come a criança bolachas
Enquanto principia o dia.

E nesse passar de tempo,
As aves entoarão o mórbido que jaz
E nada mais restará
Senão o esquecimento...

Mas estou bêbado e mal me peso
Em um contrabalanço do viver estando morto
Não quero ficar, passo fome na alma
E a um mendigo ninguém estende a mão...

Álvaro Machado - 16:31 - 17-05-2015

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante