Embarque do destino


Foi apenas um momento que não pode voltar
- Navegar, que me entendam as vozes de Aegir,
É neste momento o que a mim não pode regressar
E eu não sei como reagir!
Porque é navegar, navegar! Se me despedaçam o coração
Desdobro em ondas as lágrimas, em tempestades as mágoas,
E navego até mais não bastar!

Foi apenas o que foi e mais não pode ser
- Cruzo os braços que de outro tempo se mantinham vivos,
Encaro o vento que dos meus ouvidos sussurra rotas
E deixo-me desprender deste barco, deste povo,
Desta nação que não toma rumo para seguir...
E leva-me, para as profundezas do mar, a angústia derrotada
De não pode navegar, nunca mais poder navegar!

Foi apenas de passagem o que nunca foi e não pode voltar a ser...


Álvaro Machado – 15:25 – 15-03-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil