Excluída rota




Estou, neste momento, de rota excluída para o mundo;
Passo por de baixo da ponte em que ninguém passou
Com o inferno lado a lado comigo, mesmo quando vou ao fundo,
E agora eu olho para o desperdício que me acercou
Durante anos e anos em que viver pesou...

Agora eu sei que a razão vale nada e a experiência outro nada vale...
(Se algum dia valessem, a minha vida simplesmente não acabava)
Tanto pensei, tanto escrevi de pensar - para que o destino me fale -
Que eu, em momentos, ainda que raros fossem,
Pensei que ela não me abandonava!

E partiu. Sem me dizer que partiu. E eu tive que partir
Sem que um merecido verso me deixasse despedir
Dos tantos que por mim se cruzaram
Sem que o meu olhar soubesse pedir
Amor aos que sempre me amaram!

Álvaro Machado – 21:07 – 22-04-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante