Profetas do vazio




Nada me é estranho nem conhecido.
Pertenço só à vida, deambulo
Sentindo a primavera, o vento fresco
E o caminho da esperança...

Sinto-me nem perto nem longe,
Pertenço só às pessoas, às saudades,
E às mudanças repentinas de tempo!

Nunca tive razões para desistir nem para lutar,
Por isso, nunca me aproximei nem me distanciei,
Deixei sempre que a vida se atravessasse no meio
E descesse abaixo de um soalho

Para lhe perscrutar segredos intransportáveis,
Autos de fé que realmente tinham razão de ser,
Porque Deus não gosta que contestem.

"Isola-te do mundo e vem ouvir toda a verdade"
- disse uma voz, antes de Cristo, para Maniqueu.
Maniqueu aceitou e desapareceu,
Aceitou desmoronar como um muro,

Saltou sobre esse muro, desvendou o mistério,
Conheceu a voz pujante de Deus
E percebeu que não ser de ninguém
É o passo mais livre que podemos dar.

Como Maniqueu, eu também não busco respostas
Nem sufoco o coração de perguntas, deambulo à sorte
Esperando por uma voz que me faça descer
O mais rápido que puder ser!...

Álvaro Machado – 15:56 – 02-04-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil