Raças




Dêem as mãos; somos juntos se dermos as mãos.
Assim, teremos paz e acolheremos os bons momentos.
A distância dos continentes é unida por sentimentos
Que tantas vezes parecem vãos,

Mas, se sentirmos saudades, o vão é insubstituível
E mais forte que a distância que nos separa e nos une simultaneamente.
A pele mais clara sente o que a pele mais escura sente
E toda a humanidade junta torna-se invencível.

Não deve existir diferença entre raças,
Porque, quando sentes, sentes com o teu coração
E quando abraças gostas de quem abraças.

Há que desfrutar de paisagens, esquecer a solidão,
Esquecer o preconceito destes homens
Que vivem da ingratidão.
(Sim, os homens que ainda vivem de tempos de escravidão…)

Álvaro Machado – 23:19 – 03-04-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante