Velho. Cansado.


- Lamento que tenha sido assim; que agora esteja assim,
Mas, com o tempo, tu sabê-lo-ás: nada que te inquieta
Inquieta mais ninguém, tudo o que podes mudar não podes,
Porque estás condenado a nada mudar.

E se ao menos pudéssemos alguma coisa mudar...
Um tracejado apagar, um salmo modificar, um sentido alternar…
Qualquer coisa. Esquecer o estipulado e recriar de impossível
A possivelmente possível…

E tenho pena por ter lamentos somente a dar.
Poder-te-ia dar outras coisas, como uma casa à beira rio
- Na minha adolescência eram esses os tipos de casas
Que eu ficava, na varanda, insaciado, a desejar…

Cheguei a construir uma pequena embarcação,
Quando imaginar não era uma sensação
Mas uma verdade irredutível e cheia de razão.
E nela eu fugia. E nela eu esquecia,
Porque, afinal, vivia!


Álvaro Machado - 22:39 - 30-04-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil