nau inocente


ontem fui.
hoje é que não sou.
ontem balbuciei o que restava de mim.
hoje sou mudo.

aquele barqueiro em uma nau,
indo inocente, diz que procura a índia.
não... ele continua em busca desse mar paradisíaco
onde não precisa de pensar.

hoje é ele.
ontem fui eu. fui eu quem passou
e por esse mar naufragou...

vai-te. foge desta onda.
que ela há-de levar-te
e nunca mais entregar-te.

Álvaro Machado - 21:47 - 18-05-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante