viajante deleitoso


alma de viajante?
nenhum espaço relembra.
saudoso só do nada que é amante,
do mais sombrio deleite que o quebra
e da solidão que lhe é lancinante...

o não sentir-se distante,
nem perto, nem mesmo sentir o ranger
do vento ou da onda gigante,
não faz o corpo se mover
e ir adiante...

antes, fá-lo parar,
deixar de crer...
ser em terra ou em mar
onde há-de morrer?
o que importa é viajar.

Álvaro Machado - 23:02 - 21-01-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil