Cave do coração


Na cave do coração magoado
Uma perturbadora e entreaberta porta deixa a dor surgir
Por entre a madrugada distante.

Eu, envolto nos mais desesperados embalos para a morte,
Deixo fluir a escuridão que há em mim
- vejo-a expandir por todo o universo
Em eterno vácuo...

E que só tu, noite de recantos infinitos,
Me compreendas e me leves no coração...
Porque o resto eu calo e guardo
E mantenho gélido...

Gélido então, pois a vida me deu sombra e solidão
Quando havia sol e alegria;
Abriu-me, sem que notasse, uma ferida nessa cave
Que eu chamei de coração...

Álvaro Machado - 01:24 - 01-05-2015

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil