Fúnebre lição


Esfriaste-me quando mais precisei
De usar o teu fogo ardente.
Perdi-me por entre esta gente,
Que também por abandonar acabei…

Fiquei-me pelo esquecimento.
(É-me destino inevitavelmente)
Fiquei-me pelo medo desesperante
Que a toda a hora dá sofrimento…

E vocês… sabem tão bem viver…
Sabem tão bem abraçar a felicidade…
Um de vós, dos tantos, um qualquer
Por princípio toma o fim como continuidade.

Mas eu…tenho demasiadas consciências entre mim.
Demasiados cadafalsos para não cair.
Estou tão enterrado e confuso… não sei como sair…
Será este o meu incontornável fim?


Álvaro Machado – 22:31 – 25-08-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante