Divino


Tenho uma vida incompleta, mas uma luta constante
Por ideais e utopias que me alentam a alma...
Não me rejo pelas normas, como seria normal,
E a minha liberdade não está à venda.

Vivo, apenas. Vivo na irreverência.
Roço o meu sentimento no oculto deleite
Que nem Deus, nem Satanás conhecem.
Nem está disposto para ninguém...

Só meu, novo paraíso de Éden,
Ascenção onírica e ébria...
Saudade de ter uma vida decente...
Nada, ninguém...


Álvaro Machado - 21:10 - 01-10-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil