Lei natural



Em viagem pelo Ártico.
O sol poisa na consciência
E eu oiço-o a sussurrar
Porque ele naturalmente está a brilhar
Com toda a sua essência.

E os frios ermos da inconsciência
São compostos por vales e abismos;
Os homens da vida se propõem a defrontar riscos
E cair abaixo é pela sua inocência…

Nenhuma alma que cobice desmedidamente
Tinha a coragem, o sacrifício, a valentia,
De, sobre um vale que a morte chamaria,
Se erguer triunfalmente.

Porque assim dita a lei natural:
O homem pertence à natureza
E sobrevive lá como um animal.
Quem vive é quem tem destreza.

Mister Winston – 12:50 – 28-09-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante