Miramar


Está distante...
E nem chega a ser muito distante...
Fica na intermitência...
E nem vale a pena ter saudade,
O navio não espera por mim.
Se esperasse, ganharia fôlego...

Sou alma-miramar...
Que nem sabe quem sente...
Será destino andar perdido no alto-mar?
Ah, mas porque me ouso sequer isto perguntar?
Vale a pena viver no Outono. A brisa deixa-me a flutuar,
E ver as borboletas e os pássaros a voar
Deixam que o momento fique comovente!...

Álvaro Machado - 01:46 - 07-10-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil