Oculto


Sinto as movimentações da terra oculta, terra de averno,
Contrabalanço-me entre a metafísica e o submundo,
Entre a ponte que tem como direcção céu, inferno,
Deus, Satanás e eu, que não sei de onde sou oriundo…

Bizarro em todos os sentidos.
São demasiados universos de sucedâneo ao meu…
Complexo, extremamente complexo, olhar o céu
E ter por que questionar: porquê tantos mundos?

Vagueei num pequeno espaço do Botânico
Já o silêncio a cidade inteira possuía;
Ia com a alma inquieta de pensamento que não queria,
Embora sozinha desejasse ser uma estrelo a sobrevoar o Atlântico…

Álvaro Machado – 13h00 – 05-10-2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

Barco infantil