Palavras.


Sim. Podia ser melhor.
Podia ser aquilo que todos são.
Sim, vamos ser isso, vamos ser muito mais,
Vamos ser tudo menos nós.

Vamos falar e esquecer que falámos,
Sentir para dizer que nos magoámos,
Ver para acharem que nos preocupámos,
Ficar para saberem que não nos distanciámos.

É imenso o sol ao fim de tarde.
As ruas confundem-se, à distância não existo,
e ao calor não me sinto existir...

Mas para mim tanto me faz, viver, morrer...
Apraz a intensidade que me dás, isso basta...
Basta-me entrar na rota do desajustado, do entontecido...

E tudo isto para te dizer que não sou melhor.
Sou o que sou, sou a liberdade que deixo criar,
o sentimento que faço por adivinhar
- ruas paralelas à cavidade do meu coração,
pontes onde o declive torna ébrio o fitar,
e a passagem somos nós em volta...

isto sou eu.
resto disso é distância
e mar dessa distância.

Álvaro Machado - 14:36 - 22-06-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão