Consciência do fim


Paremos um momento
Para que tomemos consciência:
Podemos acabar a qualquer instante
Enquanto chove, enquanto não chove,
Por igual caímos no chão...

Tão leves e inocentes somos
Na hora, porque não a pensamos
Apenas tínhamos ouvido o pássaro a cantar
E a casa a tremer, mas não ruir.

Éramos como imortais naquele tempo
Grandes feitos nos esperavam;
E agora o que resta senão a memória vaga,
O aperto do saudoso coração?

Álvaro Machado - 15:14- 14-02-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão