O tanto da vida!


Quem me dera que eu pudesse explicar
O tanto que sinto quando estou a fitar
Uma ave pelo céu a voar,
Poder dizer-vos a liberdade que existe
No eu conseguir os limites ultrapassar
Só com o sentir de um olhar.

Quem me dera que pudessem acreditar
Naquilo que a nossa alma consegue sentir!
Se tu existes, e se por acaso aí em cima estas a observar,
Vê bem como o nosso coração ultrapassa as fronteiras
Que tu próprio construíste como barreiras
Ao nosso dizer que sabe o que é amar.

Tenho tanto aqui dentro, meu e não meu,
Que construo a cada dia como uma grande obra de arte
Se ficará no segredo, será também teu,
O não sei, são coisas que só a vida ainda percebeu.
Cabe-me escrever isto, antes que a nau desembarque.

Um dia, será que alguém os meus sentimentos leu?...

Álvaro Machado – 22:13 – 08-02-2014

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Da outra margem!

de folha em folha, tudo cai vão

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante