Anos de apagão


Os poetas dedicaram toda a sua poesia à nossa estrela, o Sol – considerado por todos como a nossa estrela mãe. Porém, é uma ideia errada. Haverá outra mãe antes do Sol e , por isso, essa é a responsável para criação da vida e não outra!

Triliões de anos passavam e a luz –
Que tanta vida preencheu em vastas galáxias
Foi levada pela imensa escuridão…
E o fim veio aproximando-se com uma incerta exactidão,
Dando disformes formas aos nossos dias.

De repente, um apagão surge na humanidade
E não mais há supernovas, luas, planetas…
Aquela bela luz solar que saciou odes em tantos poetas
Era a rainha que despenhava enormes cometas;
Era o império de ilusão e crueldade!

Já não existem novos universos de luz artificial…
Pobre coração iludido pela mente espacial…



Álvaro Machado – 21:19 – 31-07-2012

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Assim.

Jorge de Sena - Uma pequenina luz bruxuleante

Desventura insensata